Hugo Coelho Fotografia

Decidir como querem controlar as vossas finanças depois do casamento é muito importante para evitar que, mais tarde, comecem a haver desentendimentos devidos ao não falado. A verdade é que, pela vergonha ou preconceito de falar sobre dinheiro, comecem a haver pequenas situações que se vão amontoando e gerando mal-entendidos, ressentimentos, sentimentos de injustiça ou até de culpa.

Para evitar este tipo de situações o melhor é, antes mesmo de casar, pensarem em conjunto de como querem gerir as finanças enquanto casal. Seguramente têm despesas que são anteriores ao casamento e outras haverá que se devem à vida de casal. Por estes motivos, é muito importante que tenham bem claro quais são as necessidades e expetativas de cada um para poderem comportar-se em conformidade com aquilo que acordarem.

Aqui estão algumas dicas para essa importante conversa:

Desdramatizar

Falar de dinheiro não é “feio”: é algo que faz parte do dia-a-dia e, em última análise, pode alterar de forma significativa o humor e até uma relação. Ter essa conversa não é inoportuno nem insensato, muito pelo contrário. E que tal, para amenizar um pouco o assunto, combinar conversar num café ou num local que seja agradável? Assim é bem provável que comecem a ter este tipo de conversas sem preconceito.

Observar e falar

Mesmo que não tenham discutido este assunto anteriormente, de certeza que já se deram conta do tipo de despesas que cada um tem e da forma como gerem as suas contas enquanto solteiros. Este é um excelente ponto de partida, conversar acerca do que já sabem. Deste modo, podem partir para uma troca de ideias e estabelecimento de certos compromissos importantes.

Quais são as necessidades financeiras de cada um?

Há certos hábitos que talvez deixem de ter depois de casados, mas haverá muitos mais que quererão manter depois de iniciar a vida a dois. Por exemplo, ela pode não passar sem a assinatura da sua revista preferida e ele quererá manter a despesa que a prática do seu hobbie preferido implica. Há que ser claros e ver quais as despesas de cada um individualmente e quais as que serão novas a partir do momento em que se afirmarem como casal.

Quais as vossas expetativas em termos de dinheiro?

Não é exatamente uma entrevista de emprego, mas pensem o que querem ter e qual o estilo de vida que imaginam levar daqui a cinco anos. E o que necessitam de juntar para o ter. Por aqui podem verificar quanto necessitarão de poupar por mês ou por ano para conseguirem atingir esse objetivo.
Do mesmo modo, pensem nas respetivas carreiras, na possibilidade de quererem, necessitarem ou não de fazer uma pausa laboral para se dedicarem a outros projetos, incluindo terem filhos, fazerem viagens ou férias, estudarem, entre outros.

Que compromissos querem ter em comum?

Tendo mais ou menos definidas as despesas e as metas, está na hora de definir qual o contributo de cada um para as despesas familiares, para as poupanças, e para a vida quotidiana.

Pensar se preferem ter contas separadas ou comuns, se preferem ter uma conta poupança em conjunto mas cada um ter a sua conta à ordem e, por fim, se é benéfico ter uma conta para as despesas correntes onde cada um colabora como definirem e ter as despesas de cada um separadas.

Seguramente, depois de definirem bem todas estas questões (e outras que surjam), será muito mais fácil estabelecer um compromisso de modo a atingir os objetivos a que se propuserem.